Brasilândia se mobiliza no Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes

Assistência Social19/05/2017, 14:21:00 Total de Visualizações: 639

Prefeito agradeceu a presença de todos no local - Divulgação

Na última quinta-feira (18), Brasilândia se lembrou do Dia Nacional de Combate ao Abuso e Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes com uma série de atividades, realizada no Anfiteatro Ramez Tebet, ao longo do dia. A data foi marcada por palestras do juiz da Comarca do Município, André Ricardo e do psicólogo do Ministério Público Estadual, Dr. Sydnei Ferreira.

O prefeito de Brasilândia, Dr. Antonio, participou do encontro no período da manhã e durante o seu discurso, falou de sua especialidade na saúde, na área de psiquiatria, sobre os transtornos causados pela violência sexual, física e moral que a criança ou adolescente pode sofrer. “Quando a vítima sobrevive em um caso como desses, as consequências são devastadoras, podendo deixar marcas na vida inteira”, disse, emocionado.

Após a fala do prefeito, foi a vez do juiz da Comarca de Brasilândia, André Ricardo, falou para o público presente, sendo a maioria crianças e adolescentes, sobre os principais tipos de violência que pode ocorrer ao longo da infância e adolescência.

Também citou sobre o cuidado da internet, alertando sobre o perigo de pedófilos e também do estupro vulnerável de crianças e adolescentes, sendo que atualmente, correm em segredo de justiça na comarca de Brasilândia aproximadamente 30 processos deste tipo de caso envolvendo menores de 18 anos.

Ao fim da palestra, a equipe do Conselho Tutelar reforçou ao público sobre a importância da denúncia, em caso de suspeita de violência por meio do contato com o próprio órgão ou o número “Disque 100”. A ligação é gratuita e pode ser feita de modo anônimo.  

Já no período da tarde, o psicólogo do Ministério Público Estadual, Sydnei Ferreira, falou de forma lúdica para as crianças e adolescentes sobre a importância da preservação do corpo e do consentimento e da denúncia, caso esteja sofrendo algum tipo de violência. “Tem que falar para o pai, a mãe, o professor ou amigo se conhecer alguém que estiver passando por alguma situação parecida como essa”, disse.

Além disso, houve apresentações culturais do Serviço Conviver e do Ministério Cairos, da Igreja Batista. O público presente também participou de sorteio de canecas no final das palestras.

A mobilização contou com a participação das escolas municipais Antonio Henrique Filho, Arthur Hoffig e a estadual Adilson Alves da Silva, além dos representantes do Ministério Público Estadual, do Poder Judiciário, do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS),do Centro Especializado de Referência de Assistência Social (CREAS), do Conselho Municipal da Criança e do Adolescente (CMDCA) e do Conselho Tutelar.

Fonte: Assessoria de Comunicação